Saiba como funciona a app StayAway Covid, que mostra se tivemos contacto com alguém com Covid-19

Espera-se que a aplicação (app) de rastreio de contactos StayAway Covid seja lançada durante o mês de julho. Desenvolvida pelo INESC TEC, a app pretende travar a propagação do coronavírus, embora não substitua e apenas complemente, os processos de rastreio de contactos tradicionais.

É importante salientar que a app funciona com base no voluntarismo, ou seja, cada cidadão só instalasse quiser e a DGS ou o SNS não vão fornecer dados sobre o estado de saúde dos cidadãos, são os utilizadores que fornecem esses dados voluntariamente.

 

Quais os passos para a sua instalação?

  • Instalar a app no seu telemóvel
  • Não é necessário introduzir informação pessoal. Todo o processo de contact tracing será feito através do número de telemóvel que, segundo a informação sobre a app, é anonimizado.
  • Ao abrir a app pela primeira vez encontra um painel inicial com informações sobre o seu funcionamento, o seu objetivo e o que fazer se for diagnosticado com Covid-19.
  • Aí terá que os termos de utilização e a política de privacidade.
  • O seu telemóvel pode ainda pedir autorização para aceder a algumas funcionalidades, como o Bluetooth, e a possibilidade de correr em segundo plano.
  • Depois de todos estes passos chega a um ecrã com três painéis principais:

o O primeiro é verde – significa que não esteve próximo de um utilizador que se tenha marcado como infetado (ou seja, depende de os utilizadores, caso estejam infetados, se marquem como tal)

o O segundo é amarelo – vai aparecer caso se tenha cruzado com uma pessoa infetada nos últimos 14 dias, e vai mostra-lhe algumas recomendações a seguir

o Antes de chegar ao terceiro painel é preciso falar sobre o botão que aparece no canto inferior esquerdo, onde aqueles que forem diagnosticados com a doença devem inserir um código, facultado pelos médicos, relativo ao teste. Aqui os doentes marcam-se voluntariamente como infetados, para que as pessoas com quem se tenham cruzado sejam informadas de que o contacto aconteceu (embora nunca seja facultada a sua identidade)

o O terceiro painel é vermelho – confirma que o telemóvel é de uma pessoa infetada com a doença. Aqui o telemóvel deixa de monitorizar contactos de proximidade.

ÚLTIMOS ARTIGOS

Artigos Relacionados

Medidas do Governo, medicamentos e entidades oficiais encabeçam as pesquisas relacionadas com a Covid-19

As pesquisas realizadas em Portugal, durante os últimos quatro meses, dão-nos pistas sobre as preocupações, as necessidades de esclarecimento e procura de informação acerca...

Desde 9 de maio, início deste projeto, que os psicanalistas da Sociedade Portuguesa de Psicanálise se envolveram na tarefa de criar pequenos textos, nos quais a vivência subjetiva do momento ganhasse forma em palavras, em pequenos textos de variados ritmos, recorrendo frequentemente à arte expressa por escritores e poetas. Falaram sobre o medo, o tempo suspenso, a morte, a angústia, a esperança, a criatividade, o amor, a solidariedade e o cansaço. Falaram também da violência humana e da injustiça, do sentimento de impotência e de ilusão.
Dia a dia, criaram textos que falavam de si e dos outros, numa procura de sentido e de sentires. Tentaram dar nome à inquietante estranheza que brutalmente nos invadia.
O imenso testemunho de que todo este projeto fala perdurará para além deste momento marcante da nossa história mundial, nacional e pessoal. Para o conjunto dos membros da nossa Sociedade Portuguesa de Psicanálise este tem sido um tempo e um processo de aprendizagem, de coesão, de partilha, de exposição e de transformação, no encontro com o outro, da relação existente e imaginada com o possível leitor.
Este foi um dos projetos em que nos envolvemos por acreditarmos que a Psicanálise pode e deve participar mais activamente na comunidade, nomeadamente, em momentos em que o Ser Humano é obrigado a sofrer e a realizar alterações tão profundas na sua vida.
Falámos de pesadelos e de histórias tranquilizadoras, da criatividade e generosidade humanas e muito, mas muito, do desejo de saber e de participarmos na construção do pensamento e do conhecimento. E não há conhecimento sem verdade, por mais dolorosa que ela seja. Desistir das falsas ilusões é conhecer a realidade e poder criar e lutar por sonhos, ainda que por vezes estes possam parecer utopias.
“Transformar é Viver” significa para nós que Viver é sempre Transformar, mesmo quando não temos consciência de o estarmos a fazer.
Até sempre!

Covid-19 foi ‘explosivo’ nas redes sociais mas perdeu impacto ao longo do tempo

Entre o início de março e o final e julho monitorizámos as redes sociais Facebook e Twitter para tentar perceber como é que a...