Tendência decrescente não faz esquecer preparação do inverno

Há uma tendência decrescente no número de casos nas regiões mais afetadas pertencentes à área metropolitana de Lisboa, pelo que as 19 freguesias neste momento em situação de calamidade deverão passar para o estado de contingência, o que está em vigor nos restantes municípios da Grande Lisboa. O Rt médio (19 a 23 julho) foi de 0,94. O número de novos casos a cada geração está numa trajetória de decréscimo, e hoje foram apenas 135.

A situação provocada pela Covid-19 colocou em evidência a falta de recursos humanos e materiais no sistema de saúde nacional. Está a ser realizado trabalho no âmbito da capacitação do mesmo. Uma vertente do plano de inverno é a capacidade do rápido diagnóstico e sinalização de contactos próximos.

A evolução da pandemia nos diversos países afetados é diferente, tendo em conta o contexto. A mensagem mais importante é a de que até haver vacina ou tratamento eficaz não vai ser possível eliminar a doença.  A própria Organização Mundial da Saúde diz que a Covid-19 é a pior emergência global de saúde que já enfrentou.

No âmbito da transmissão grávida-feto, a DGS indica que não há razão para alteração da norma específica em vigor. Não obstante, existe um acompanhando da evidência científica.

Sobre a máscara portuguesa criada com um material capaz de inativar o vírus, a DGS indicou que houve uma reunião nesse contexto, que testes e comparações estão a ser realizados e que há que aguardar pelos resultados.

Sobre a realização de festas ilegais, Ministra da Saúde voltou a apelar a que não sejam mantidas condutas que colocam em causa os próprios e os outros, uma vez que a doença não se compadece com facilitismos. Frisou que o Governo continuará a investigar na fiscalização e aplicação dos mecanismos sancionatórios.

Medos e fraudes

Se tem medo de que as grávidas estejam mais suscetíveis de serem contagiadas com Covid-19, fique a saber que a informação é imprecisa. Até ao momento não existem evidências científicas que demonstrem diferenças na suscetibilidade no contágio ou na gravidade dos sintomas por parte de grávidas com a Covid-19. No entanto, existe uma suscetibilidade comprovada do sistema imunitário durante a gravidez, e um maior risco de doença grave, pelo que a DGS recomenda especial atenção.

Da mesma forma, é impreciso que exista um spray oral que inabilita o Sars-Cov2. A reivindicação defende que um spray oral que tem a enzima tripsina inativa o Sars-Cov2 em 98% dos casos. No entanto, a informação do produtor revela esta eficácia em testes de laboratório in vitro e não em testes de uso quotidiano por humanos. Especialistas destacam ainda que o uso desta enzima pode até ter efeitos contraproducentes, levando a possíveis mutações do vírus e a enfraquecer o sistema imunitário, pelo que há elevadas reservas no seu uso.

Por fim, a informação de que a Organização Mundial de Saúde está a oferecer emprego nas redes sociais é incorreta. Várias burlas online, usando a imagem da Organização Mundial de Saúde, continuam a circular, sendo uma das mais recentes os anúncios de emprego, oferecendo trabalho a partir de casa e a part-time, sem qualquer tipo de conhecimento técnico ou especializado. A instituição já veio destacar que se trata de uma fraude.

Covid-19 não pára comemorações do Dia dos Avós

Nas últimas 24 horas, as páginas de Facebook em Portugal tiveram 949 publicações com referências à pandemia de Covid-19, as quais geraram um total de 80 mil interações, contabilizando ‘likes’, comentários e partilhas. A publicação que gerou mais interações veio da Direção-Geral da Saúde e refere-se às formas comemorar o Dia dos Avós mantendo as condições de segurança para todos: avós e netos. Esta publicação destacou-se das restantes com 15128 ‘likes’, comentários e partilhas. O segundo lugar do pódio de hoje é ocupado por um ‘live’ de Camilo Lourenço no Facebook, no qual abordou o marco de Portugal ter passado os 50 mil casos de Covid-19. O lugar mais baixo do pódio vai para o político André Ventura, que destaca uma notícia segundo a qual um recluso libertado por causa da pandemia terá realizado 13 assaltos em Lisboa.

No resto das 20 publicações mais populares do dia, a barreira dos 50 mil casos de Covid-19 em Portugal volta a ser abordado, juntamente com as festas ilegais no Algarve, às quais a Polícia Marítima pôs cobro.

Nos grupos de Facebook dedicados à Covid-19, o mesmo período trouxe somente 57 publicações e 355 interações, confirmando algum desinteresse pelo assunto da pandemia, um efeito que pode ser notado nos outros temas que começam a ser debatidos nestes grupos, como os incêndios.

No domingo foram dois os termos relacionados com a Covid-19 que chegaram ao top 20 dos termos mais pesquisados no Google, em Portugal: Quinta da Pacheca e habeas corpus.

A pesquisa por habeas corpus está possivelmente relacionada com o pedido feito por uma mulher, que viajou para os Açores, contra a imposição de quarentena na ilha Graciosa. Recordamos que habeas já tinha chegado ao top 20 das pesquisas há umas semanas, quando um homem, que também viajou para os Açoresl fez o mesmo pedido, também contra a imposição de quarentena, mas nessa ocasião na ilha de S. Miguel.

Já a pesquisa por Quinta da Pacheca parece ter sido motivada pela original forma de desinfeção dos seus visitantes. Para dar mais segurança aos turistas em tempo de coronavírus, esta quinta no Douro usa processo de descontaminação para grandes grupos, chamado ozonização da água feita, que é dentro de um túnel em forma de barrica.

ÚLTIMOS ARTIGOS

Artigos Relacionados

Medidas do Governo, medicamentos e entidades oficiais encabeçam as pesquisas relacionadas com a Covid-19

As pesquisas realizadas em Portugal, durante os últimos quatro meses, dão-nos pistas sobre as preocupações, as necessidades de esclarecimento e procura de informação acerca...

Desde 9 de maio, início deste projeto, que os psicanalistas da Sociedade Portuguesa de Psicanálise se envolveram na tarefa de criar pequenos textos, nos quais a vivência subjetiva do momento ganhasse forma em palavras, em pequenos textos de variados ritmos, recorrendo frequentemente à arte expressa por escritores e poetas. Falaram sobre o medo, o tempo suspenso, a morte, a angústia, a esperança, a criatividade, o amor, a solidariedade e o cansaço. Falaram também da violência humana e da injustiça, do sentimento de impotência e de ilusão.
Dia a dia, criaram textos que falavam de si e dos outros, numa procura de sentido e de sentires. Tentaram dar nome à inquietante estranheza que brutalmente nos invadia.
O imenso testemunho de que todo este projeto fala perdurará para além deste momento marcante da nossa história mundial, nacional e pessoal. Para o conjunto dos membros da nossa Sociedade Portuguesa de Psicanálise este tem sido um tempo e um processo de aprendizagem, de coesão, de partilha, de exposição e de transformação, no encontro com o outro, da relação existente e imaginada com o possível leitor.
Este foi um dos projetos em que nos envolvemos por acreditarmos que a Psicanálise pode e deve participar mais activamente na comunidade, nomeadamente, em momentos em que o Ser Humano é obrigado a sofrer e a realizar alterações tão profundas na sua vida.
Falámos de pesadelos e de histórias tranquilizadoras, da criatividade e generosidade humanas e muito, mas muito, do desejo de saber e de participarmos na construção do pensamento e do conhecimento. E não há conhecimento sem verdade, por mais dolorosa que ela seja. Desistir das falsas ilusões é conhecer a realidade e poder criar e lutar por sonhos, ainda que por vezes estes possam parecer utopias.
“Transformar é Viver” significa para nós que Viver é sempre Transformar, mesmo quando não temos consciência de o estarmos a fazer.
Até sempre!

Covid-19 foi ‘explosivo’ nas redes sociais mas perdeu impacto ao longo do tempo

Entre o início de março e o final e julho monitorizámos as redes sociais Facebook e Twitter para tentar perceber como é que a...