Mundo a piorar, Portugal continua no assim-assim

Se em Portugal surgiram 246 novos casos, com a região de Lisboa e Vale do Tejo a concentrar 87% (mantendo o padrão das últimas semanas), os Estados Unidos registaram 60 mil novos casos de infeção por coronavírus, numa pandemia que já provocou mais de 600 mil mortes no Mundo.

Se o assim-assim português é cansativo, em muitas outras partes do Mundo a situação é dramática, e continua a piorar de dia para dia. A Índia registou quase 39 mil novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, um número recorde. A África do Sul é já o quinto país com maior número de casos, a seguir aos EUA, Brasil, Índia e Rússia. E Hong Kong, onde a pandemia parecia controlada há meses, registou mais de 100 casos nas últimas 24 horas, um número diário sem precedentes.

Preocupação com crianças e transportes públicos

Se tem dúvidas se nasceu um bebé em Portugal com Covid-19, fique a saber que a informação é correta. Depois de um caso reportado em França, também em Portugal nasceu um bebé infetado pela mãe durante a gravidez e com sintomas de Covid-19. O bebé francês recuperou sem aparentes consequências registadas. Especialistas destacam que estes casos são a exceção, mas relembram que o risco existe.

Outra questão corrente é se andar de transportes públicos não aumenta significativamente o risco de contágio. O Observador pegou nas declarações do Ministro das Infraestruturas e da Habitação, a defender que o risco de andar de transportes públicos não é um problema tão significativo no contágio da Covid-19 como publicitado. No entanto, como destaca a plataforma de fact-checking, não há evidências que aumentem o número de infetados, mas também não existe prova contrária. Sabe-se sim que o contágio ocorre mais favoravelmente em espaços fechados com elevada proximidade física, como acontece no caso dos transportes públicos. Destaca-se, por fim, que em qualquer situação seguir as recomendações das autoridades de saúde reduz significativamente o risco de infeção.

E como as crianças são preocupação para todos os pais e educadores, perante a informação de que há mais crianças desaparecidas do que mortes por Covid-19, a dúvida é natural, mas fique a saber que a afirmação é incorreta. A reivindicação circula nas redes sociais e refere-se às crianças desaparecidas nos EUA, mas não esclarece se está a referir-se ao total de desaparecimentos desde sempre ou relativamente a este ano. Este tipo de comparações é sempre falacioso, ainda mais quando não esclarecem que valores estão a comparar. Em Portugal são dadas como desaparecidas 1400 crianças por ano, um valor ligeiramente inferior às mortes por Covid-19 até ao presente, sendo que a grande maioria dos desaparecimentos se resolve, e existe apenas um número muito reduzido de crianças que não é encontrada.

Renato Sanches preocupa portugueses

Nas últimas 24 horas, o tema que mais parece ter despertado o interesse dos portugueses no Facebook foi o facto de o futebolista Renato Sanches ter testado positivo ao coronavírus. Esse tema dá origem à publicação com mais interações (‘likes’, comentários e partilhas) nas últimas 24 horas, da autoria da Sport TV. Mas o tema reaparece várias vezes – de várias fontes diferentes – no top das 20 publicações que mais despertaram ‘likes’, comentários ou partilhas. A segunda publicação mais popular é do jornal regional O Minho e faz referência ao uso obrigatório de máscara na Galiza; e a terceira é da TVI24 e remete para as enchentes nos areais de Monte Gordo, no Algarve. Ao todo, as últimas 24 horas trouxeram 772 publicações sobre a Covid-19, com um total de 79 mil interações.

Nos grupos de Facebook dedicados à Covid-19, o mesmo período de 24 horas trouxe apenas 83 publicações, que geraram 684 ‘likes’, comentários e partilhas. Tanto um como outro são os valores mais baixos registados desde que esta monitorização é realizada. Apenas um tema é repetido no top10 de hoje: a notícia, da edição em inglês do jornal El Pais, de que mais de metade dos pacientes de Covid-19 em Espanha desenvolveram problemas neurológicos.

Um relatório da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, divulgado pelos media, põe Portugal no top 10 dos países da OCDE com pior resposta à pandemia Covid-19. Essa é possivelmente uma das razões pelas quais a expressão OCDE esteve entre as 20 mais pesquisadas, em Portugal, relacionadas com a Covid-19. Portugal encontra-se à frente de países como a Turquia e a Irlanda, mas atrás da Suécia, considerado o pior exemplo no combate à pandemia devido à fraca aposta nas medidas de prevenção. A Espanha, a Bélgica e o Reino Unido ocupam as três primeiras posições, respetivamente, no top dos países com a resposta mais ineficaz ao combate da Covid-19. Pode consultar o relatório aqui.

ÚLTIMOS ARTIGOS

Artigos Relacionados

Medidas do Governo, medicamentos e entidades oficiais encabeçam as pesquisas relacionadas com a Covid-19

As pesquisas realizadas em Portugal, durante os últimos quatro meses, dão-nos pistas sobre as preocupações, as necessidades de esclarecimento e procura de informação acerca...

Desde 9 de maio, início deste projeto, que os psicanalistas da Sociedade Portuguesa de Psicanálise se envolveram na tarefa de criar pequenos textos, nos quais a vivência subjetiva do momento ganhasse forma em palavras, em pequenos textos de variados ritmos, recorrendo frequentemente à arte expressa por escritores e poetas. Falaram sobre o medo, o tempo suspenso, a morte, a angústia, a esperança, a criatividade, o amor, a solidariedade e o cansaço. Falaram também da violência humana e da injustiça, do sentimento de impotência e de ilusão.
Dia a dia, criaram textos que falavam de si e dos outros, numa procura de sentido e de sentires. Tentaram dar nome à inquietante estranheza que brutalmente nos invadia.
O imenso testemunho de que todo este projeto fala perdurará para além deste momento marcante da nossa história mundial, nacional e pessoal. Para o conjunto dos membros da nossa Sociedade Portuguesa de Psicanálise este tem sido um tempo e um processo de aprendizagem, de coesão, de partilha, de exposição e de transformação, no encontro com o outro, da relação existente e imaginada com o possível leitor.
Este foi um dos projetos em que nos envolvemos por acreditarmos que a Psicanálise pode e deve participar mais activamente na comunidade, nomeadamente, em momentos em que o Ser Humano é obrigado a sofrer e a realizar alterações tão profundas na sua vida.
Falámos de pesadelos e de histórias tranquilizadoras, da criatividade e generosidade humanas e muito, mas muito, do desejo de saber e de participarmos na construção do pensamento e do conhecimento. E não há conhecimento sem verdade, por mais dolorosa que ela seja. Desistir das falsas ilusões é conhecer a realidade e poder criar e lutar por sonhos, ainda que por vezes estes possam parecer utopias.
“Transformar é Viver” significa para nós que Viver é sempre Transformar, mesmo quando não temos consciência de o estarmos a fazer.
Até sempre!

Covid-19 foi ‘explosivo’ nas redes sociais mas perdeu impacto ao longo do tempo

Entre o início de março e o final e julho monitorizámos as redes sociais Facebook e Twitter para tentar perceber como é que a...